A Tensão : Exposição que questiona os sentidos chega a São Paulo no próximo mês

Atualizado: 15 de fev.



Se você gosta de passeios que impressionam, então, precisa ir no local certo e se preparar para as emoções proporcionada pela exposição A tensão. Programada para começar no mês de março, no Centro Cultural, Banco do Brasil (CCBB), atração gratuita deve seguir a mesma tendência de provocar ou até mesmo “perturbar” os visitantes com as obras do artista argentino Leandro Erlich.


Piscina que não molha? Barco e elevador flutuantes? Janelas para jardins imaginários? Como assim? Isso mesmo! e até uma piscina em que é possível entrar de roupa e ficar submersos sem medo de se afogar, salão de beleza com janelas que parecem espelhos chama a atenção da mostra que atualmente acontece no CCBB-RJ.


Sobre a exposição



A tensão (de nome explícito e sonoramente ambíguo: quem não lê pode ouvir “atenção”), revela, já em seu título, um dos prováveis sentimentos que os visitantes sentirão diante das instalações do artista. Isso porque Erlich trabalha com referências que são, literalmente, “lugares-comuns”, espaços que estamos acostumados a ver no dia a dia, mas deslocados da condição de normalidade.


A obra de Erlich é estruturada no mecanismo da dúvida, do questionamento do que os nossos sentidos percebem em desacordo com o que nossa mente sabe. O visitante é posto em situações banais do cotidiano, como pegar um elevador, estar numa sala de aula, mas as ilusões óticas e a subversão da realidade propostas pelos artistas fazem suas obras ganharem conotações de aventura surrealista.


Algumas obras



Uma das mais bem sucedidas experiências nesse sentido – que se tornou uma de suas obras mais populares e desconcertantes – é “Swimming Pool” (piscina, em português). Atração onde quer que seja exposta, a piscina de Erlich provoca sensações absurdas tanto por quem entra nela – sem se molhar – quanto para quem está do lado de fora: uma camada de água entre um lado e outro cria a ilusão de que as pessoas ao fundo estão de fato mergulhadas numa piscina.



Outra obra desconcertante e grande destaque entre as instalações de Erlich presente na exposição do Rio, por exemplo, é “Classroom”. Nela, quando o público adentra a sala, sua imagem é refletida num vidro, como se ele fizesse parte de uma cena diferente. Os visitantes ficam parecidos com fantasmas, como se estivessem numa sala de aula abandonada – as memórias de infância se projetam para um cenário de crise e de abandono.


O artista



Leandro Erlich, nascido em 1973 e produzindo suas obras em seus ateliês em Buenos Aires e Montevidéu, está, assim, constantemente rompendo as fronteiras que normalmente acreditamos existir entre a realidade e a ilusão.


Acessibilidade: O prédio é acessível, possui banheiros adaptados e material em braile, além da disponibilidade de monitores para auxiliar a visita.


Local: Centro Cultural Banco do Brasil São Paulo – R. Álvares Penteado, 112 – Centro Histórico de São Paulo, São Paulo – SP


Quando: Estreia prevista para o início de março


Horário: Todos os dias, das 9h às 19h, exceto às terças.


Valor: Gratuito


Não se esqueça: Para ingressar no Centro Cultural Banco do Brasil São Paulo é necessário apresentar comprovante de vacinação contra Covid-19 (físico ou digital) e um documento com foto.




Fonte: site São Paulo para crianças

  • YouTube
  • Instagram
  • Facebook

ACOMPANHE NAS REDES

EM DESTAQUE