Cadeiras que dão autonomia para banhistas com deficiência se espalham por praias do país



O uso de cadeiras anfíbias, que permitem o banho de mar a pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida, está se espalhando pelo litoral brasileiro, mesmo com a pandemia tendo freado a expansão. O que era raro de ser visto passou a ser mais frequente nas praias, proporcionando mais acesso ao mar, uma demanda histórica do grupo social.


Os programas envolvem a participação de administrações públicas, em alguns casos, aliadas a institutos e entidades educacionais. O serviço, hoje presente em pelo menos 15 estados, ocorre de duas maneiras: um, menos abrangente e apostando na autonomia do usuário — semelhante ao modelo mais adotado nos EUA —, é a entrega da cadeira ao usuário que fica com ela em períodos determinados; outro é o chamado banho assistido, em que a pessoa é auxiliada por guarda-vidas ou monitores.


As cadeiras anfíbias possuem rodas especiais, que se movimentam na areia e flutuam no mar. Devem ser utilizadas com a presença de um acompanhante, que guia o veículo na água, por exemplo.


Maceió (AL) conta com o programa Praia Acessível, implantado como política pública desde 2015 pela Secretaria Municipal de Turismo, Esporte e Lazer. Uma vez por mês, um grupo de monitores faz uma ação de banho assistido na praia de Pajuçara.



O programa também possibilita que a pessoa interessada solicite uma cadeira por meio do número (82) 99102-4596 para poder usufruir pelo prazo de até sete dias, da maneira que for mais conveniente para ela. “A proposta era de atender e dar mais autonomia para as pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida, para que elas pudessem aproveitar as belezas naturais de Maceió, assim como praticar atividades esportivas com equipes especializadas”, diz João de Barros, coordenador do projeto.


Tabata Contri, 41, consultora de inclusão de profissionais com deficiência, optou por solicitar a cadeira durante as suas férias em Maceió. “Achei muito legal. Eu estava de férias com a minha família, queria ir para a praia todos os dias, conhecer praias diferentes, e no horário que eu estava a fim de ir, não em um determinado. Tive essa liberdade.” O Paraná também tem um modelo mais autônomo na Ilha do Mel.


O Instituto Água e Terra, em parceria com a Secretaria do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo do estado, disponibilizou um número de WhatsApp para a reserva de cadeira adaptada. São duas na praia de Encantadas e duas em Nova Brasília. A pessoa interessada faz a reserva e tem o direito de passar o dia com a cadeira. A reserva pode ser feita pelo número (41) 99554-0313.


Santa Catarina tem uma política de praia acessível que abrange os cerca de 360 km de faixa litorânea do estado, com 150 cadeiras anfíbias espalhadas em 23 cidades. O programa ocorre diariamente durante a temporada de verão, mas o governo estadual disponibilizou o aplicativo CBMSC Cidadão, com os endereços dos postos guarda-vidas que disponibilizam as cadeiras e a agitação do mar no dia, já que, dependendo das condições, a cadeira é levada para outra praia da região.



O programa é acompanhando por guarda-vidas. O serviço também foi ampliado para o interior catarinense. Neste ano, começou a funcionar em um lago na cidade de Itá, cerca de 500 km de Florianópolis. Para Marco Pellegrini, ex-secretário nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência e especialista em diversidade e inclusão, “políticas públicas que cumprem o dever constitucional do salvo-conduto inclusivo e digno aos equipamentos públicos e ao meio social tem um grande poder transformador, somente a convivência no cotidiano é capaz de eliminar o capacitismo e a intolerância”.


No Ceará, o governo do estado mantém o programa Praia Acessível em parceria com os municípios de Fortaleza, Caucaia, Aracati e Aquiraz. O serviço também é assistido por monitores. A gestão estadual diz que cerca de 8.000 pessoas já foram atendidas pelo programa desde o seu início, em 2016. A ideia é ampliar a iniciativa para as praias de Trairi e Camocim em março. No decorrer do ano, outras quatro localidades deverão contar com o programa.


Na Bahia, a capital Salvador também conta com o programa Para Praia, mas foi suspenso por causa da pandemia. A crise sanitária também atrapalhou os planos em algumas praias.


Em São Paulo, o serviço acabou sendo limitado. No Guarujá, são duas cadeiras na praia das Pitangueiras, e só funciona de quinta a domingo, das 10h às 14h, com o acompanhamento de monitores. Johnny, coordenador do programa, diz que procura informar sobre as cadeiras para as pessoas que estão na praia. “Ando pela praia para ver se tem alguma pessoa de cadeira de rodas e ofereço o serviço.” Na Praia Grande, o serviço também funciona aos finais de semana na alta temporada.




As cadeiras estão disponibilizadas em quatro locais: Vila Mirim, Balneário Flórida, Canto do Forte e Jardim Guilhermina. O usuário, ao lado de um acompanhante, deve levar um documento e retirar a cadeira. O tempo de permanência depende da procura. Santos tem cadeiras nos Canais 3 e 6, nos finais de semana, das 9h às 15h, também com acompanhamento de guarda-vidas.


Funciona durante todo o ano, mas a limitação não agrada aos usuários. “Infelizmente, o horário é muito ruim. Agora no verão, começa a ficar bom quando o sol começa a baixar, depois das 15h. Tinha que ficar disponível até umas 18h pelo menos”, diz a assessora de imprensa Laís Ferrão, 41, que frequenta o projeto desde 2010.


Para Tabata Contri, o turismo no Brasil ainda deixa muito a desejar no que diz respeito a acessibilidade. “O turismo no Brasil, para pessoas com deficiência, tem que melhorar demais. Para poder viajar é preciso armar um esquema de guerra. Tem que ligar, pesquisar, e ainda corre o risco de não encontrar acessibilidade.”

Fonte: Site Mix Vale

  • YouTube
  • Instagram
  • Facebook

ACOMPANHE NAS REDES

EM DESTAQUE