Entenda como o conflito na Ucrânia afeta o turismo e sua próxima viagem

Atualizado: 25 de fev.



A Rússia invadiu a Ucrânia na madrugada desta quinta-feira (24) (horário local). Mas, afinal, qual será o impacto deste conflito para a economia brasileira? O dólar e o petróleo vão subir mais? E as viagens e turismo internacional? Entenda, abaixo, os possíveis desdobramentos.


O dólar vinha caindo nas últimas semanas no Brasil, e um dos motivos para isso era justamente as tensões entre Rússia e Ucrânia. A moeda americana chegou a ser cotada abaixo de R$ 5.


No entanto, bastou a Rússia anunciar o ataque que o dólar já disparou e subiu, ainda no meio do dia, 0,14 centavos. O que nos demonstra que a moeda deve continuar subindo após o início do conflito.


Entenda mais sobre como o conflito altera a cotação e qual a melhor hora de comprar dólar aqui.


Ucrânia fecha espaço aéreo

Após o anúncio de Vladimir Putin foram registradas explosões não só nas áreas separatistas, mas também na capital do país, Kiev, e na segunda maior cidade ucraniana, Kharkiv.


Comboios russos invadiram a Ucrânia em todas as direções. Um deles entrou via Belarus (aliada da Rússia) ao norte; outro veio pelo sul, via Crimeia (península ucraniana anexada pela Rússia em 2014).


O aeroporto de Kiev foi bombardeado e, logo depois, o governo fechou o espaço aéreo do país para voos civis. Veja as imagens abaixo que foram encontradas nos sites de rastreamentos de voos.













Muito além da necessidade de desvio de rota, a invasão afeta de forma direta a retomada do turismo.


Um dos impactos no setor foi o aumento no preços do petróleo, que estava em 63 dólares (56,5€) por barril, em 2021, e foi para 100 dólares (90€), na manhã de quinta-feira, 24 de fevereiro, de acordo com o TTG Media.


As transportadoras aéreas já estabeleceram planos de contingência para evitar a Ucrânia, com mapas de radar que mostram poucos voos operando dentro de seus limites.


Qualquer encerramento do vasto espaço aéreo da Rússia terá sérias consequências para voos da Europa para a Ásia, principalmente para o Japão.


O custo do aumento do consumo de combustível à medida que as companhias aéreas fazem rotas mais longas será repassado aos consumidores porque, principalmente pós-pandemia, as empresas não têm condições de absorver despesas gerais adicionais.



Pessoas em situação de refúgio



Moradores fazem fila para deixar a cidade de Kiev



Espera-se que as atuais tensões entre a Ucrânia e a Rússia afetem, não só o setor do turismo no país, que já tinha começado a ver tendências positivas antes da pandemia, mas também o turismo em toda a União Europeia, especialmente na Polónia, Romênia e Bulgária, relata o Schengen Visa Info.


Já se espera a existência de um grande número de pessoas em situação de refúgio, que procuram proteção internacional, a migrar para outros países da Europa Oriental, de acordo com o Schengen Visa Info. Especialistas estimam que cerca de cinco milhões de pessoas podem abandonar o país.


Anteriormente, o vice-ministro do interior da Polônia, Maciej Wąsik, disse que o país precisa estar preparado para receber cerca de um milhão de refugiados. A Polônia é o lar de mais de dois milhões de ucranianos, a maioria vive no país da Europa Central por motivos de trabalho.





  • YouTube
  • Instagram
  • Facebook

ACOMPANHE NAS REDES

EM DESTAQUE