Turistas em Cuba “poderão tomar a vacina se quiserem”, diz diretor de instituto de pesquisa





Turistas estrangeiros que chegarem a Cuba terão a possibilidade de receber a vacina contra a Covid-19, segundo Vicente Vérez, diretor do Instituto Finlay de Vacinas, que faz pesquisas com imunizantes contra o coronavírus no país. No entanto, a vacina cubana ainda não passou pela fase final de testes e tampouco recebeu autorização de uso no país.


"Os turistas terão a opção, se quiserem, de vacinar-se em Cuba também", afirmou Vérez em entrevista recente divulgada pela TelesurTV, canal com sede na Venezuela.


Segundo o Instituto Finlay de Vacinas, sediado em Havana, quatro vacinas contra o novo coronavírus estão em fases avançadas de pesquisa, sendo a mais avançada delas a Soberana 2, que poderia receber autorização para uso já em março. Os outros imunizantes levam os nomes de Soberana 1, Abdala e Mambisa.


O levantamento mais recente das vacinas em desenvolvimento contra o coronavírus da Organização Mundial da Saúde (OMS), de 26 de janeiro, registra uma vacina em testes clínicos no instituto cubano; a Soberana 2, que atualmente está na fase 2 dos ensaios clínicos, com previsão de divulgação dos resultados em 22 de abril. A Soberana 2 é uma vacina de subunidade proteica, de aplicação intramuscular, em duas doses com intervalo de 28 dias, segundo o documento.


Cuba pretende produzir 100 milhões de doses da vacina ainda este ano. A meta é vacinar toda a população cubana (11,3 milhões de pessoas) em 2021 e ainda exportar o imunizante. O país já fez propostas para Vietnã, Irã, Venezuela e Índia, disseram as autoridades.

Turistas que visitarem a ilha terão que ficar em quarentena por vários dias até que tenham diagnóstico negativo para o Sars-CoV-2, anunciaram autoridades no sábado (30).


O diretor de epidemiologia do regime cubano, Francisco Durán, afirmou que, a partir de 6 de fevereiro, turistas de fora do país serão mandados para hotéis, por sua própria conta, para aguardar o resultado do teste PCR para o vírus, que será feito no quinto dia após a chegada ao país. Uma medida semelhante já havia sido aplicada no ano passado. Cubanos que retornam ao país serão acomodados em centros, com as despesas pagas pelo governo, enquanto esperam o diagnóstico. De acordo com os dados oficiais, Cuba registrou 29.529 casos de Covid-19 e 220 mortes pela doença até esta quarta-feira (3), mostra o monitoramento da Universidade Johns Hopkins.

Fonte: Gazeta do Povo



  • YouTube
  • Instagram
  • Facebook

ACOMPANHE NAS REDES

EM DESTAQUE