• Jéssica Paula

Fernando de Noronha reabre ao turismo

Atualizado: Set 10





Depois de cinco meses sem receber visitantes por conta da pandemia do novo coronavírus, Fernando de Noronha foi aberto novamente para o turismo no primeiro dia de setembro. Mas o momento ainda inspira cuidados: após o período de isolamento, o cenário incrível do arquipélago só está disponível para visitantes que comprovem terem se curado da Covid-19.


Agora, para visitar uma das 21 ilhas que formam o arquipélago, o turista deverá entregar exames realizados há mais de 20 dias, junto ao pagamento da Taxa de Permanência (TPA) – que também passou por mudanças e só será feito on-line.


Mesmo com tais limitações, a reabertura do turismo enche de entusiasmo e otimismo ilhéus e comerciantes locais.


Comércio Local


Virgínia Anghinoni, 39 anos, proprietária da pousada Casa Novamaré, retrata o período de quarentena na ilha como uma “avalanche de emoções”. Afinal, quando seu estabelecimento tinha acabado de completar 1 ano, o período de isolamento em Fernando de Noronha foi decretado.

“Passamos por vários picos emocionais e financeiro nestes meses de ilha fechada. Antes da quarentena, estávamos no auge das reservas, seria uma temporada de baixa na ilha e estávamos lotados, superfelizes, chegamos ao patamar de 9,2 na booking com um feedback de construção muito importante para o nosso trabalho”, conta Virgínia.


A empresária, que está em isolamento na ilha há 6 meses, com o marido e a filha de 5 anos, afirma que Fernando de Noronha está em clima de ansiedade.


“Estamos lidando com a abertura das portas do nosso negócio da mesma forma que lidamos com uma doença que causa um mal maior. Abrir a ilha é necessário, porém, é delicado dizer que todos devem entrar na mesma leva, quando sabemos que um surto neste momento nos fecharia novamente e seria um baque maior”, diz Virgínia.


“É preciso entender que estamos lidando com vidas, com sonhos, são seres humanos, e não números. Todo cuidado é necessário. Que seja abençoado a abertura e que possamos voltar a brilhar”, completa a empresária.

A vida em primeiro lugar


“Há uma ânsia das pessoas que vivem em Noronha, principalmente por parte das que vivem do turismo. Mas em primeiro lugar está a vida”, diz Júlio César Soares, representante legal de sete pousadas: Recanto de Noronha, Del Mares, Pousada da Jô, Pousada Corais, Lopes, Donzela de Rocas e Monsenhor Rocha.


Para Júlio César, Noronha está prestes a viver um novo momento, quem sabe com uma visão mais consciente e sustentável. “Chegará um novo turista, um turista mais consciente com a questão da preservação e da própria saúde, um turista que preserva a vida”, acredita o empresário.


Ele também conta que todos os protocolos de segurança estão sendo seguidos e ainda adianta que um hospital de campanha foi criado para atender quem precisar.


Para Júlio César, o turista só vai se sentir seguro e os resultados só vão ser efetivos para o comércio a partir do ano que vem: “Noronha é um destino diferente, não tem como você pegar um carro e já estar aqui. Temos limitação de aéreo. É um destino ao qual você se programa”.


Mas para aquele turista mais ansioso, que não vê a hora de observar as maravilhas de Noronha, o empresário estipula que daqui a alguns meses todos poderão visitar e que um novo protocolo de reabertura poderá ser estabelecido.


Retomada de voos

No mês que vem, a empresa aérea Azul retomará suas operações comerciais ao destino. A companhia é a única a manter voos semanais para a ilha, transportando mantimentos, moradores e autoridades públicas.


Mas fique atento: os voos com destino ao arquipélago serão comercializados só até três dias antes da partida.




Fonte: Metrópoles