• Jéssica Paula

Luxemburgo, um dos países mais acessíveis do mundo

Atualizado: Set 10




Uma das cidades mais acessíveis da Europa é também capital de um dos menores países do continente.


Se você olhar o mapa de longe, sequer vai enxergar o pequeno país Luxemburgo expremido entre a Bélgica, a Alemanha e a França. Sua capital, que também se chama Luxemburgo, vai fazer você perder o fôlego assim que a avistar ao longe, sentado na poltrona do trem. Inclusive, recomendo que você use este meio de locomoção para chegar até lá.





Isso porque é possível encontrar voos direto do Brasil para a Alemanha ou para a Holanda, e a partir destes países você pode facilmente acessar um trem ou ônibus para, então, chegar a essas terras com ares que misturam o moderno e vão até a era medieval.


Observar ao fundo das imagens, as muralhas presentes que contornam o centro histórico da cidade.



Transporte público gratuito




A acessibilidade em Luxemburgo não está apenas nos elevadores que ligam a parte baixa da cidade ao alto das muralhas. A gente sabe que o acesso vai muito além disso e a cidade se detaca por esse motivo.


Esse lugar encantador ganhou espaço nas revistas, jornais e blogs de turismo ao se tornar o primeiro país do mundo a oferecer transporte público gratuito para qualquer pessoa em todo território nacional.


O transporte público agora será financiado em grande parte por meio de impostos que compõem o Orçamento Nacional.


A mudança já impactaram nos preços das passagens de trens internacionais. Claro que se quiser cruzar suas fronteiras, tem que comprar o bilhete, mas será mais barato já que levará em consideração o trecho da viagem em que ele é gratuito. Inclusive, apenas os pontos de venda de tíquetes internacionais e de vagas nas primeiras classes dos trens é que estarão disponíveis para compra. As outras bilheterias vão ser retiradas aos poucos.


Clique aqui para ir direto ao site do sistema de transporte de Luxemburgo e veja como obter seu tíquete gratuito.


Praça das Armas





Eu visitei a cidade durante o verão e tive a sorte de encontrar nos fins de tarde (lá pelas 20h), apresentações de diferentes estilos musicais na principal praça do centro da cidade, a Praça das Armas (Place D’Armes). Ali fica o edifício Le Cercle Municipal, onde acontecem cerimônias, eventos e exposições.


Nas outras arestas da praça, você vai poder escolher entre as diversas opções de restaurantes. Na pior das hipóteses, tem um Mac Donalds ali no mesmo lugar. As ruas laterais que dão acesso à praça, também contam com diferentes opções de gastronomia.


Se estiver fazendo uma viagem bem econômica, ou se simplesmente gosta de comer bem pagando pouco, pode fazer como fiz e comprar um kebab em uma dessas ruas, levar o lanche até a pracinha e comer por ali mesmo, vendo gente passar. Fique tranquilo, você não vai ser o único a fazer isso.


Alimentação


A gastronomia da cidade é uma mistura dos três países em volta de Luxemburgo. Eu mesma, que comemorei meu aniversário na cidade, pedi uma taça de vinho na Praça das Armas enquanto apreciava um show de uma banda que se apresentava no coreto. Aproveitei para pedir um crepe de chocolate ao estilo francês que fez as vezes de bolo de aniversário. A conta ficou 4 euros.


Esse foi o valor também que paguei por um kebab super bem serviço ali mesmo, no centro da cidade.


Claro que há opções de restaurantes que oferecem pratos mais elaborados, com massas e carnes variadas. Aí o valor já sobe e fica em média 20 euros.


Notre Dame


Sim, a catedral de Luxemburgo leva o mesmo nome daquela famosa que fica em Paris. No entanto, ela é menor e não chama tanto atenção à primeira vista - talvez por não ter aparecido em nenhum filme popular - mas vale a pena conferir ela por dentro, a entrada é gratuita.


Essas torres pontiagudas que nos lembram que estamos em algum país distante, são um destaque possível de enxergar de diferentes pontos da cidade.




É importante saber que uma de suas entradas é acessível por meio de rampa. Na entrada onde fiz a foto acima há alguns degraus baixos e largos. Consegui passar por eles tranquilamente.


Adolphe Bridge


Cartão postal da cidade, essa ponte também conta com acessibilidade. Isso signfica que você pode não apenas fazer uma foto como esta, com a construção ao fundo, como também consegue chegar até ela e atravessá-la.



A Adolphe Bridge foi construída no ano de 1903 e simboliza a independência do país.


A ponte tem dois andares, sendo que o superior é para tráfego de veículos e o inferior, inaugurado em 2018, é reservado para ciclistas e pedestres. Esse trecho, inclusive é ótimo para escapar de chuvas, e é acessível a cadeira de rodas.


Praça da Constituição


A praça foi construída em homenagem aos soldados mortos na Primeira Guerra Mundial, e oferece uma vista linda da cidade.



Ela fica no caminho dos principais pontos turísticos da região, bem pertinho da Notre Dame e da Praça das Armas, por exemplo.


Seu jardim é uma delícia, mas o destaque mesmo vai para o parque que há bem ali do lado, o Vallé de la Pétrusse. Dá pra perder o folêgo só de olhar ele de longe. E lá no fundo, você também terá uma vista para lindona Ponte Adolphe.


Bock Casmates



As Bock Casmates são carregadas de história e fazem a gente se sentir viajando no tempo. No entanto, o piso do local é bem irregular e há trechos com escadas. Então, não é amigável para a autonomia de uma pessoa em cadeira de rodas ou com carrinho de bebê, por exemplo.


As Casamatas (em português) são construções da arquitetura militar, fortificadas, criadas para proteger militares de projéteis inimigos. Uma espécia de Bunker, ou (búnquer em português), termo que foi popularizado após a Segunda Guerra Mundial.


No caso de Luxemburgo, as Casmates datam de 1745 e hoje têm mais de um quilômetro de extensão. No entanto, esse labirinto feito de túneis à prova dos bombardeios da época, chegou a ter 23 km de extensão.


Grande parte dessas cavernas foram destruídas em 1867 quando Luxemburgo assinou um tratado de neutralidade em relação aos conflitos da Europa. E por que nem tudo foi destruído?


Porque a destruição de parte do complexo afetaria a estrutura da cidade e, por isso, foi preservado, o que também ajudou a população durantes as Guerras Mundiais, quando as Casamatas chegaram a abrigar 35,000 pessoas durante alerta de bombardeios.


Hoje, tudo isso faz parte da história e do turismo da região.


Grund




Este é uma bairro que fica na parte baixa da cidade, e é envolto pelo rio Alzette, fundamental na construção do cenário instagramável da cidade.


E sabe o que é mais lindo? Dá para acessar essa região, descendo uma ladeira, ou através de um elevador panorâmico. Vale a pena se perder por entre as ruas tranquilas, com construções belíssimas, que mais parecem um cenário de filme.


Os restaurantes e a vida noturna da região são bem famosos. Não tive tempo de jantar no local, mas não há um cidadão que não recomende fazê-lo, então fica a dica.


Hospedagem



Eu fiquei hospedada no Youth Hostel da cidade, o Luxembourg City Hostel. Apesar de o caminho do centro da cidade até ele exigir descer uma ladeira, e consequentemente subí-la ao sair para seus passeios, achei que valeu muito a pena me hospedar lá. Inclusive ele é praticamente ao lado do local onde fiz as fotos da Bock Casmates e da vista de cima do Grund. Poucos minutos caminhando, você já estará no burburinho da cidade, não sendo necessário pegar táxi (meio mais recomendado para chegar até o hostel à partir das estações de ônibus e trem).


Agora, o que me chamou atenção nesse lugar mesmo foi a imagem acima. A vista de sua entrada já te faz se sentir respirar os ares da história medieval, já que o hostel ficam bem de frente para essa ponte aí da foto.



Bem ali na entrada também, há uma mesa de ping pong e o clima é bem agradável, com gente confraternizando e batendo papo seja do lado de fora, ou no restaurante deles que fica logo na entrada. O local conta com rampa e elevadores e os quartos são super limpos e arrumados. Deu vontade de ficar por mais tempo.



O quarto em que dormi tinha um bom tamanho e quando cheguei não precisei nem dizer que, uma vez que as camas são compostas por beliches, precisava ficar na cama de baixo. Eles mesmos já tiveram esse cuidado.


Logo no atendimento, me deram um mapa da cidade, e mostraram tudo o que eu poderia fazer na região. O hostel também conta com quartos e banheiros adaptados para cadeirantes.


Outras cidades




Você também pode aproveitar para conhecer o interior do país que é repleto de castelos e te fornece uma bela de uma aula de história. Aproveita que o transporte público é gratuito e fique mais um tempo no país.


Eu fiquei apenas dois dias e confesso que achei muito pouco. O gostoso de Luxemburgo está descobrir as pequenas vielas, muralhas e histórias escondidas. Recomendo que você fique na capital por ao menos três dias se quiser fazer tudo com calma, e entender melhor esse país incrível!